Conjuntos cerâmicos da Idade do Ferro do teatro romano de Lisboa: as cerâmicas de engobe vermelho

Description
Conjuntos cerâmicos da Idade do Ferro do teatro romano de Lisboa: as cerâmicas de engobe vermelho

Please download to get full document.

View again

of 12
All materials on our website are shared by users. If you have any questions about copyright issues, please report us to resolve them. We are always happy to assist you.
Information
Category:

Mobile

Publish on:

Views: 0 | Pages: 12

Extension: PDF | Download: 0

Share
Transcript
  Patrocinador oficial FUNDAÇÃO MILLENIUM BCP 150 anos    Coordenação editorial: José Morais Arnaud, Andrea Martins, César NevesDesign gráfico: Flatland DesignProdução: DPI Cromotipo – Oficina de Artes Gráficas, Lda.Tiragem: 400 exemplaresDepósito Legal: 366919/13ISBN: 978-972-9451-52-2Associação dos Arqueólogos PortuguesesLisboa, 2013 O conteúdo dos artigos é da inteira responsabilidade dos autores. Sendo assim a As sociação dos Arqueólogos Portugueses declina qualquer responsabilidade por eventuais equívocos ou questões de ordem ética e legal.Os desenhos da primeira e última páginas são, respectivamente, da autoria de Sara Cura e Carlos Boavida.Patrocinador oficial Apoio institucional  641 Arqueologia em Portugal – 150 Anos conjuntos cerâmicos da idade do ferro do teatro romano de lisboa: as cerâmicas de engobe vermelho Marco Calado  / Técnico de arqueologia / Colaborador do Museu do Teatro Romano / marcocalado1@hotmail.com João Pimenta  / Centro de Arqueologia da Universidade de Lisboa (UNIARQ) / Museu Vila Franca de Xira. Mestre em Pré--história e Arqueologia / pimentamarques@iol.pt  Lídia Fernandes  / Coordenadora do Museu do Teatro Romano (Museu da Cidade – Câmara Municipal de Lisboa) / Arqueóloga. Mestre em História de Arte / lidia.fernandes@cm -lisboa.pt  Victor Filipe  / Centro de Arqueologia da Universidade de Lisboa (UNIARQ) – Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT) / victor.filipe7@gmail.com RESUMO Analisa -se o conjunto de cerâmicas de engobe vermelho exumado no decurso das últimas campanhas de escavação realizadas no Museu do Teatro Romano.O objectivo desta apresentação é o estudo deste grupo de materiais, analisando -se o respectivo enquadramento no contexto diacrónico da ocupação deste local.O facto de terem sido exumadas algumas estruturas de contextos sidéricos e republicanos, em ambos os casos destruídas pela edificação do teatro nos inícios do séc. I d.C., permitiu o reconhecimento da ocupação anterior à época romana. O aparecimento de inúmeros fragmentos classificada tradicionalmente como “cerâmica de engobe vermelho”, a qual surgiu em múltiplos estratos arqueológicos, revela uma diacronia de contextos que suscitam interessantes considerações. ABSTRACT The set of red glaze ceramics that have been exhumed during the last excavations at the Roman Theatre Museum is analysed. The goal of this presentation is to study these elements to analyse their diachronic frame-work in the context of the occupation of this site. The recognition of the occupation prior to the Roman era was possible. This is due to the fact that some of the structures exhumed had Republican and Siderian age. The appearance of fragments traditionally classified as red glaze ceramics in many archaeological strata gives a diachrony of contexts leading to very interesting considerations. INTRODUÇÃO O trabalho que agora se expõe procura dar conti-nuidade à apresentação sistemática do espólio ce râ-mico recolhido ao longo das várias campanhas efe -ctuadas no interior do Museu do Teatro Romano.A constituição deste museu em 2001, englobando áreas distintas entre si e localizado a sul do monu-mento romano, permitiu a realização de escavações arqueológicas em áreas não edificadas. Procurou--se, de igual modo, intervir em áreas circundantes que possibilitassem um melhor entendimento do tipo de ocupação antrópica em redor do teatro como aconteceu com duas sondagens realizadas em 2009 no Pátio do Aljube e na Rua Augusto Rosa, defronte da fachada sul do museu.Sublinhamos, no contexto do trabalho que se a pre-senta, o primeiro local (Fernandes & alii  , no prelo) pelo espólio que forneceu atribuível a contextos ori-entalizantes da Idade do Ferro, enquadráveis entre os meados/finais do séc. VIII a.C. e o séc. VI a.C., des tacando -se o aparecimento de estruturas de pe-dra seca, possivelmente socos de muros em adobe, de cariz habitacional.O elevado número de material de cronologia sidé-rica recolhido ao longo das várias campanhas ar-  642 queológicas, exigiu uma abordagem parcelar dos da dos, razão pela qual se optou pela apresentação exclusiva das cerâmicas de engobe vermelho. O nú-mero, qualidade e tipologia das peças deste tipo jus-tifica uma apresentação particular. 1. CONTEXTO ARQUEOLÓGICO A construção do edifício do teatro, no âmbito do no-vo gizar do urbanismo romano de Olisipo , implicou profundos trabalhos de desaterro e construção de am - plos e profundos alicerces inerentes a uma estrutura desta dimensão. Este preâmbulo às questões do con-texto arqueológico de proveniência destes materiais de cronologia pré -romana parece -nos imperativo, pois apesar de ser omnipresente a constatação, em to - dos os estratos, da presença de materiais de crono-logia pré -romana estes encontram -se sempre em deposição secundária. O conjunto que se analisa foi, deste modo, recolhido ao longo das múltiplas cam - panhas arqueológicas realizadas no Museu do Tea tro Romano, desde 2005, quando se iniciaram os tra  ba-lhos, até 2011 (Figs. 1 e 2).O presente conjunto é proveniente, na sua maioria, da segunda fase dos trabalhos aí implementados, após a identificação da grande estrutura do  post-caenium  e integram -se em contextos, generi camen-te, de cronologia romana 1 . Constata -se assim, que estas evidências de ocupa-ções pretéritas do povoado pré -romano surgem em claro contexto secundário. Contudo, o seu estudo ainda que encarado numa perspectiva meramen-te tipológica, pode contribuir para a construção do conhecimento da diacronia da urbe subjacente à Olisipo  romana. 2. A CERÂMICA DE ENGOBE VERMELHO ENQUANTO ELEMENTO DE ESTUDO A cerâmica de engobe vermelho que essencialmente integrava o serviço de mesa, constitui -se como uma das categorias cerâmicas que mais atenção tem recebido por parte dos investigadores que se dedicam ao estu - do de materiais da Idade do Fer ro. No contexto do re - portório das cerâmicas da chamada fase orientali-zant e, o estudo daquele tipo de materiais poder -se -á 1. Exceptuam -se os exemplares provenientes das camadas 2 -a – comum a várias valas de sondagem – por ser atribuível a contextos medievais /modernos. considerar privilegiado pois permite o estabeleci-mento de melhores cronologias que grande parte de outros materiais, constituindo -se inicialmente como um material exógeno e revelador de contactos com as populações do Medi terrâneo Oriental (Sousa, 2011). A introdução da roda de oleiro por aquelas po-pulações exógenas viria a modificar, em grande me-di da, o reportório cerâmico no Ocidente penin su-lar, permitindo e potenciando, simultaneamente, o aparecimento de um fenómeno de imitação das cerâmicas orientalizantes por parte das popu la ções indígenas. Este tipo de cerâmica de engobe ver me - l ho viria a ser amplamente imitada e produzida regi-o nalmente, estando essa produção local/regional a tes tada no conjunto que ora se dá à estampa.A investigação sobre este tipo de cerâmica em âm- bito peninsular, embora recue ao século XIX, ini-ciou -se essencialmente em meados do século pas-sado, podendo -se globalmente sintetizar em três fases: a primeira caracterizada pela produção de sín - teses gerais sobre o tema; outra mais direcionada para os reportórios cerâmicos de âmbito regional; e a actual, que procura uma interpretação unitária da cerâmica fenícia, visando as relações entre os pro-tótipos orientais e as produções regionais ociden-tais (Freitas, 2005). Nesta perspectiva, ganha relevo o estudo minucioso das produções locais, formas e fabricos, procurando captar a evolução e dispersão de cada uma (Sousa, 2011).Há igualmente que destacar as diversas tipologias sobre cerâmica de engobe vermelho sucessivamente elaboradas desde meados do séc. XX e que, no fun-do, marcam o estado actual do conhecimento acer ca do estudo deste tipo de cerâmica 2 . 3. O CONJUNTO DA CERÂMICA DE ENGOBE VERMELHO DO TEATRO Entre os milhares de fragmentos de cronologia pré - -romana recolhidos nas escavações realizadas no teatro, optou -se por separar a amostragem por con -  juntos cerâmicos coerentes e assim estudá -los nu ma metodologia que permita extrair o máximo de in - 2. Entre outros, poder -se -ão referir os trabalhos de Cua-drado (1953, 1962 e 1969), Tarradel (1958 e 1960), Schubart (1976), Aubet (1976), Rufete Tomico (1988 -89) e Mancebo Dávalos (1996). Mais recentemente, e no contexto do terri-tório actualmente português, poder -se -ão referir os traba-lhos de Vera Freitas (2005) e Elisa Sousa (2011).  643 Arqueologia em Portugal – 150 Anos formação para o estudo da dinâmica de ocupação do espaço e da dinâmica do povoado da colina do cas-telo na sua diacronia. Entre a cerâmica a torno so -  bressaiu desde logo o conjunto de cerâmica de en-gobe vermelho, com centenas de fragmentos, ten - do sido possível reconstituir e representar grafi ca-mente 34 indivíduos. A análise macroscópica das suas pastas e engobe per mitiu definir um único grupo de fabrico. Este caracteriza -se por uma pasta compacta e bem de-pu rada, de tom castanho (Mun. 2,5 YR 5/6), apre-sen tando escassos elementos não plásticos bem distribuídos, de dimensões reduzidas. Estes são cons - tituídos por quartzos, micas douradas e alguns vacú-olos alongados. O engobe que cobre as superfícies destes recipientes é de boa qualidade, espesso e mui - to aderente, variando a sua tonalidade entre o ver-melho (Mun. 10 R 5/6) e o castanho avermelhado (Mun. 10 R 5/4), sendo o resto da peça alvo de uma aguada do tom da pasta ou simplesmente alisada. 3.1. Pratos Os pratos, correspondem ao grupo mais signi fi-cativo de todo o conjunto, não fugindo à realidade documentada para as estações da Iª Idade do Ferro no actual território português nem para os restan-tes contextos ibéricos. O nosso conjunto (Est. 1 e 2) é representativo das tipologias mais comuns entre os momentos iniciais dos contactos com o mundo orientalizante, século VIII a.C. e o século V a.C. Os exemplares da Figura 3 podem -se incluir na forma P1 de Rufete Tomico (1988 -89, pp. 15 -16), datados, tradicionalmente, entre a segunda metade do século  VIII e a primeira metade do século VII a.C. No ter-ritório actualmente Português, é precisamente no  Vale do Tejo onde encontramos os melhores para-lelos para estes pratos, nos níveis mais antigos da Alcáçova de Santarém (Arruda, 2002, pp. 184 -186) e em alguns exemplares do povoado do Almaraz (Barros, Cardoso & Sabrosa, 1993). 3.2. Taças carenadas As taças carenadas, revestidas interna e externa-mente parcialmente até à zona da carena encontram--se representadas por quatro exemplares (Est. 3, n.º 29 a 32). Esta forma encontra -se particularmente bem atestada no Povoado de Almaraz (Barros, Cardoso & Sabrosa, 1993) e em Lisboa, no Claustro da Sé (Ar ruda, 1999 -2000, pp. 116 -117) e na Rua de São Mamede n.º 15 (Pimenta, Silva & Calado, no prelo).Estas taças encontram -se bem documentadas em ní veis de meados do século VII em Huelva, onde Rufete Tomico os engloba no seu tipo C3b (Rufete Tomico, 1988 -89). Os exemplares de taças carenadas n.º 34 e 35, per - mitem constatar as estreitas relações entre os po-voados da foz do Tejo. Estas ficam bem evidenciados pelos paralelos entre estes materiais e o conjunto de engobe vermelho já conhecido do povoado de Al-maraz. O bordo n.º 34 e o fundo n.º 35 recolhidos no teatro parecem corresponder a uma taça de pé alto, similar à recolhida em Almaraz (Barros, Cardoso & Sabrosa, 1993, p. 180). Elisa de Sousa (2011, p. 166), engloba na sua proposta de tipologia cerâmica a par-tir da escavação do Núcleo Arqueológico da R. dos Correeiros, uma série de peças molduradas revesti-das a engobe que lembram a peça em questão, (série  4: Páteras), porém face ao estado de conservação dos materiais que apresenta não é clara qual a sua forma, sendo por outro lado claro que estaríamos neste caso perante cronologias mais recentes que poderiam ter como antecedente estes modelos. 3.3.Taças esféricas Ainda que apenas representado por um fragmento, podemos detectar um invulgar bocal de contentor de tendência esférica com caneluras junto ao bor-do, coberto externamente com engobe vermelho e com pintura geométrica vermelha e negra (Est. 3, n.º 28). Esta forma encontra -se bem represen-tada em contextos da primeira metade do século  VII a.C. em Huelva (Forma C1a de Rufete Tomico, 1988 -89), no Castillo de Doña Blanca (Ruiz Mata & Pérez, 1995, fig. 21) e em Mogador (López Pardo & Habibi, 2002, fig.56). No extremo ocidente penin-sular há paralelos em Castro Marim (Freitas, 2005), em Abul no horizonte 1C (Mayet & Silva, 2000, fig. 20 n.º 75), Santarém (Arruda, 2002, p. 187, fig. 119, n.º 5), em Lisboa (Pimenta, Silva & Calado, no pre-lo) e no Povoado de Santa Sofia – Vila Franca de Xira (Pimenta & Mendes, 2010 -2011). 3.4. Jarros  (?)A peça que apresentamos sob o número 27, é o único fragmento associado a formas fechadas (Est. 3). Pelo diâmetro e inflexão do colo acima da carena, pode-mos afastar a presença de formas comummente de-signadas por “boca de seta”. Peças similares surgem em contextos bem datados do século VIII a.C., como acontece com os exemplares de Morro de Mezquitilla
Related Search
Similar documents
View more...
We Need Your Support
Thank you for visiting our website and your interest in our free products and services. We are nonprofit website to share and download documents. To the running of this website, we need your help to support us.

Thanks to everyone for your continued support.

No, Thanks